Dez tecnologias que revolucionarão o mundo, segundo o World Economic Forum

Encontre na trademinas a solução

30 jun
16
Screen Shot 2016-06-28 at 7.25.10 PM

O World Economic Forum apresentou uma lista com dez tecnologias emergentes que impactarão de maneira profunda nossas vidas. O documento inclui inovações que devem figurar no radar de praticamente toda organização.

“Observar o horizonte é crucial para não ser pego de surpresa frente a soluções que transformarão radicalmente nosso mundo”, pontuou Bernard Meyerson, presidente do órgão e diretor de inovação da IBM.

Na visão do executivo, é o momento de a comunidade global somar forças e definir princípios para que a sociedade colha os benefícios e minimize os riscos dessas tecnologias.

A seguir, apresentamos a lista com as 10 tecnologias para observar em 2016.

1. Nanosensores e Internet of Nanothings
O cenário indica bilhões de dispositivos conectados nos próximos anos. Porém, há um mundo ainda mais animador no campo da Internet das Coisas. O relatório indica que nanosensores devem se proliferar de maneira intensa, trazendo uma revolução ainda mais impactante que a própria IoT. O documento cita que esses componentes estarão dentro do corpo humano, nas mobílias de uma casa e revolucionarão indústrias como de arquitetura, agricultura, saúde e farmacêutica.

2. A próxima geração de baterias
Esse tema pode guardar o futuro da energia renovável que abastecerá o mundo. De acordo com o WEF, baterias de sódio, alumínio e zinco, juntamente com soluções avançadas de armazenamento de energia, permitirão a criação de “mini grids”, que oferecerão energia limpa para uma pequena cidade ou vila.

3. Blockchain
O termo ganhou muita atenção no passado recente e já começa a surgir em estratégias de inovação de bancos e fintechs. A tecnologia serve como um repositório público de transações, listadas em ordem cronológica, o que gera um “potencial imenso de modificar a forma como mercados e governos operam”, afirma o Forum. Além de atenção da indústria financeira, o projeto vem recebendo quantias consideráveis para alavancar sua evolução.

4. Materiais 2D
Enquanto a impressão 3D recebe toneladas de atenção, o relatório da organização lança luz sobre conteúdos em “uma camada de átomos”, listando possíveis revoluções de materiais como o grafeno, que pode ser usado para produção filtros de ar e água, além de wearables e baterias/sistemas de energia.

5. Veículos autônomos
O Google tem puxado o desenvolvimento e teste de veículos sem motorista. A atuação da gigante ampliou o interesse de diversos players – inclusive grandes montadoras – para temas de veículos autônomos. No caso do relatório, há uma atenção especial para temas de segurança trazidas pelo conceito, além de redução nas emissões de poluentes e ganhos econômicos trazidos pelo compartilhamento de recursos.

6. Chips no papel de órgãos
Pesquisadores desenvolveram modelos de órgãos humanos “do tamanho de um cartão de memória”. A descoberta, aponta o Forum Econômico Mundial, pode revolucionar a pesquisa média e a descoberta de novas drogas. Esses órgãos em miniatura podem ser usados para estudar comportamentos biológicos de uma forma que até então era impossível.

7. Células solares de Perovskita
Você já ouviu falar de Perovskita? Trata-se de um mineral na forma de cristais pseudocúbicos. Esse material traz inúmeras vantagens frente ao silício na construção de células solares. De acordo com o órgão, trata-se de um componente mais fácil de ser produzido e que gera energia de forma mais eficiente. Dessa forma, há uma grande aposta de que pode revolucionar a indústria de energia limpa e renovável.

8. Ecossistema aberto de Inteligência Artificial
O gigantesco volume de dados disponíveis, combinado com avanços em algoritmo para descobrir padrões e comportamentos, além da capacidade de processar linguagem natural, acarretarão um grande potencial para o desenvolvimento de assistentes digitais, que ajudarão humanos a melhorar suas vidas.

9. Optogenética
Optogenética refere-se a técnicas que combinam luz, genética e bioengenharia. É a habilidade de usar a luz para controlar células vivas em um tecido vivo. O relatório nota que cientistas têm utilizado recursos de luz e cor para interagir com neurônios nos cérebros. Os avanços recentes nas técnicas tem permitido entregar comunicação por meio de luz em camadas mais profundas do cérebro humano, o que pode desencadear novos tratamentos para problemas cerebrais.

10. Engenharia de sistema metabólico
Os problemas ambientais e limitados recursos combustíveis fósseis, pesquisadores trabalham para criar combustíveis, químicas e materiais de fontes renováveis. O documento sinaliza que o uso de plantas irá desencadear uma revolução em termos de facilidade e custo.

 

Fonte: CIO