Wi-Fi reflexivo consome 1.000 vezes menos

Encontre na trademinas a solução

28 jul
15
o-simbolo-de-wi-fi-fraco-esta-entre-as-imagens-que-irritam-e-ate-assustam-os-usuarios-de-tecnologia-1368099057368_956x500

Wi-Fi reflexivo

Engenheiros do Laboratório de Propulsão, a Jato da NASA, e da Universidade da Califórnia em Los Angeles desenvolveram uma tecnologia que reduz drasticamente a energia necessária para enviar informações a partir de aparelhos portáteis.

Se a energia necessária para transmitir e receber informações de um computador, celular ou relógio inteligente for reduzida, isto significa desfrutar mais tempo das funcionalidades do aparelho antes de ser necessário recarregar sua bateria.

Adrian Tang e Frank Chang criaram um chip que, em vez de usar os tradicionais transmissores e receptores Wi-Fi, simplesmente reflete os sinais presentes no ambiente. Isto permitiu transmitir informações até três vezes mais rápido do que uma conexão Wi-Fi convencional.

“A ideia é que, se o dispositivo portátil só precisa refletir o sinal Wi-Fi de um roteador ou torre de celular, em vez de gerá-lo, o consumo de energia pode despencar, e a vida útil da bateria decolar,” disse Tang.

Reflete ou não reflete

A técnica consiste em fazer com que os 0s e 1s das informações sejam representados pelo “reflete” ou “não reflete” do chip – quando a energia é absorvida pelo circuito, isto representa um 0; se o chip reflete essa energia, isto representa um 1.

Este mecanismo simples consome muito pouca energia e permite a transferência rápida de informações. O chip também constantemente detecta e suprime as reflexões de fundo, permitindo que o sinal Wi-Fi seja transmitido sem a interferência das reflexões geradas pelos objetos ao redor.

3 vezes mais por 1.000 vezes menos

O chip foi testado com sucesso a distâncias de até 6 metros, mas os melhores resultados foram obtidos a até 2,5 metros, alcançando uma taxa de transferência de dados sustentada de 330 megabits por segundo, que é cerca de três vezes a velocidade do Wi-Fi tradicional – e, mais importante, usando cerca de 1.000 vezes menos energia do que uma conexão Wi-Fi comum.

Os pesquisadores afirmam que já há acordos com parceiros industriais para a comercialização da tecnologia.

Uma solução similar foi apresentada no ano passado por outra equipe, viabilizando um Wi-Fi sem baterias, mas com um alcance menor e mais voltado para a Internet das Coisas.

Fonte: Inovação Tecnológica